Plano de Negócios

Falamos lá no primeiro artigo de nossa série que você não deveria se preocupar apenas em ficar elaborando planos para a sua empresa, mas agora voltamos apenas para falar de uma ferramenta muito bem vista pelos empreendedores: o Plano de Negócios.

Apesar de soar paradoxal à primeira vista, é bem fácil de entender: você não deve elaborar o seu plano de negócios como o alicerce principal da sua organização, porém muitos investidores, novos membros e tomadores de decisão internos esperam que você apresente um plano de negócios.

Portanto, elabore um plano de negócios, e elabore bem. Ele pode ser muito útil para a sua empresa. Mas não espere que ele seja a ferramenta decisiva para o seu sucesso, afinal, as organizações que dão certo são aquelas que implementam bem os seus projetos, e não aquelas que possuem um bom plano.

 

Elabore pelo Motivo Correto

 

Plano de negócios 4.1

 

Muitos empreendedores acham que o seu plano de negócios será o suficiente para atrair a intenção dos investidores. Porém, o que acontece, na verdade, são duas situações:

  • O investidor está tendendo a tomar uma decisão favorável para a empresa, e então o plano de negócios reforçará essa tendência;
  • O investidor está tendendo a tomar uma decisão negativa para a empresa. Nesse caso, o plano de negócios dificilmente o fará mudar de ideia. É possível que o investidor nem realize a leitura de todo o documento.

Mas então, quais são os motivos certos e realistas para se elaborar um plano de negócios? Kawasaki indica alguns em seu livro:

  • No estágio final de cortejamento a um investidor ele irá pedir que você lhe apresente o plano de negócios, mas somente porque é um procedimento padrão: o plano precisa ser arquivado na empresa dele;
  • Elaborar um plano obriga a equipe fundadora a trabalhar em conjunto. Com isso, a equipe ficará forte e coesa;
  • Obriga a equipe a pensar em questões que tinha deixado passar até o momento;
  • A elaboração do plano de negócios pode ajudar a detectar buracos na equipe fundadora. Se ninguém for capaz de executar algum dos pontos trabalhados no plano, pode ser que esteja faltando alguém na equipe.

É possível concluir que a elaboração do plano de negócios é importante por dois pontos principais: 1) o fortalecimento através do processo que leva ao documento; e 2) para cumprir meras formalidades por parte de outras empresas.

 

Faça Primeiro a Apresentação, Depois o Plano (dica de ouro)

 

plano de negocios 4.2

 

É tendência entre os empreendedores procurar elaborar o melhor plano de negócios possível para então, a partir dele, elaborar a apresentação no Power Point de seu negócio. Porém, essa prática é o oposto do que deve realmente ser feito.

Primeiro é criada a apresentação, contendo os principais pontos da estratégia da empresa. Depois disso, elabora-se o plano de negócios como uma versão detalhada de tudo o que está na apresentação.

Uma prática interessante é elaborar uma apresentação (com cerca de 10 slides, como falamos no artigo anterior) e apresentá-la para alguns colegas, parentes, mentores, investidores e amigos. Depois, reúna-se com a equipe, debata o que aprendeu e comece a elaborar o seu plano.

Essa metodologia funciona, de acordo com Kawasaki, pelos seguintes motivos:

  • Sua apresentação é mais importante que o seu plano de negócios, pois é ela que vai determinar se você conquistará o interesse dos investidores ou não;
  • Uma apresentação é mais fácil de ser corrigida do que um plano, pois contém menos texto;
  • Você não irá conseguir um feedback do seu plano de negócios, por se tratar de um documento extenso. Por outro lado, você pode obter reações imediatas à apresentação.

 

Mantenha o Documento Conciso

 

plano de negocios 4.3

 

Um bom plano de negócios deve ser curto, simples e eficaz. Ninguém irá gostar de ler cinquenta páginas a respeito de projeções para daqui 10 anos, não é? Além disso, quanto mais informações você colocar no seu plano, menos importância será dada aos itens principais.

Para manter a eficácia de seu plano, você pode seguir às seguintes dicas dadas por Kawasaki:

  • Não passe de vinte páginas. Como acabamos de comentar, quanto menor o plano, mais provável que ele seja lido;
  • Escolha alguém para elaborar o plano de negócios. Embora o plano reflita o conhecimento de toda a equipe, ele precisa ser articulado por uma única voz;
  • Grampeie as páginas. Não se apegue à forma como você apresentará o seu plano, o importante é o seu conteúdo;
  • Simplifique as projeções financeiras para duas páginas. Saiba que a informação que realmente importa é a projeção do seu balanço de fluxo de caixa para os primeiros cinco anos. Todas as outras informações podem acabar sendo irrelevantes para seus investidores;
  • Inclua as métricas-chave, tal como o número de clientes, localização das lojas e revendedores. Essas métricas costumam oferecer uma compreensão melhor dos planos de uma empresa do que projeções financeiras;
  • Inclua as assunções que impulsionam suas projeções financeiras. As assunções por trás de sua previsão de receita são muito mais importantes do que a previsão em si.

 

Forneça os Números Corretos

 

plano de negocios 4.4

 

Os investidores não escolherão as empresas em que desejam investir apenas a partir das projeções financeiras, até porque, qualquer um é capaz de fazer uma projeção com resultados meramente teóricos.

Porém, essas projeções formam uma parte muito importante do plano de negócios. Isso acontece porque os investidores querem cerca de cinco anos de projeções para ajudá-los a entender a escala de sua empresa e quanto capital eles precisariam investir.

 

Escreva de Forma Deliberada e Aja de Forma Emergente

 

plano de negocios 4.5

 

Primeiramente, vamos entender o que é “forma deliberada” e “forma emergente”. Para isso, usaremos os conhecimentos de Clayton Christensen e Michael E. Raynor, co-autores do livro O Crescimento Pela Inovação.

O processo de elaboração de estratégias deliberado é consciente e analítico, apresentando uso de dados históricos, roteiros tecnológicos e análise competitiva. Já um processo de elaboração de estratégias emergente é influenciado pela realidade do dia-a-dia, presando por reagir rapidamente a problemas e oportunidades.

O grande truque para os planos de negócios é o seguinte: você deve escrevê-los no estilo deliberado, mas pensar e agir no estilo emergente.

Os investidores querem investir em empresas que sabem o que estão fazendo, por isso é mais importante inserir em seu plano de negócios informações a respeito de projeções de vendas de determinado produto mesmo se tratando apenas de suposições.

Porém, na prática, você não deve se ater ao o que está no seu plano. Reaja de acordo com o mercado e altere o seu plano quantas vezes for necessário. Kawasaki encerra esse capítulo de seu livro com uma frase que resume bem a situação:

“se a sua empresa der certo, ninguém vai se importar com o fato de que você não seguiu o plano, mas pobre de você se fracassar por tê-lo seguido.”

 

Agora que você já sabe o momento certo e como elaborar da melhor maneira o seu plano de negócios, venha conferir o próximo artigo da nossa série: A Arte do Bootstrapping!

 

COMPARTILHE 🙂