Negócio Próprio

Quantas pessoas você conhece que sonham em começar um negócio próprio, mas que não conseguem nem sair da fase do planejamento? Algumas vezes, passam-se anos até que o negócio saia do papel e, na maioria das vezes, acaba nem saindo.

Nosso objetivo nessa série de artigos é, justamente, mostrar como você pode sair da teoria e começar a empreender imediatamente.

Nessa viagem utilizaremos como base o livro A Arte do Começo – O Guia Definitivo Para Iniciar o Seu Projeto, do Guy Kawasaki.

 

 

Para quem não o conhece, Guy é um grande empreendedor que trabalhou ao lado de Steve Jobs na Apple e hoje comanda uma empresa de capital de risco chamada Garage Technology Ventures. Além, é claro, de ser a maior fonte de inspiração do Aprendi Fazendo.

Então aperte o cinto que vamos começar! E por onde começaremos? Pelo início, é claro.

 

Seja SIGNIFICATIVO

 

Negócio Próprio 1.1

 

Nunca pensei em compor música para conquistar reputação e honra. Preciso pôr para fora o que tenho no coração; é por isso que componho. Ludwig Van Bethoven

Por que você quer ter o seu próprio negócio? Qual é a sua motivação? O que você deseja alcançar através dele?

O primeiro passo para você que deseja abrir uma empresa é decidir como o seu negócio pode ser significativo.

Não estamos falando sobre uma alternativa de fonte de renda em meio aos altos índices de desemprego ou sobre o desejo de criar concorrência frente àquele restaurante que cobra caro e atende mal seus clientes. A sua empresa precisa oferecer produtos ou serviços que tornem o mundo um lugar melhor.

Poético, não é? Mas pode ser o grande diferencial entre o sucesso e a falência de seu negócio. Poucas são as empresas que sobrevivem sem ter claro um objetivo maior, além do comércio apenas pelo dinheiro.

 

Crie Um Mantra

 

Negócio Próprio 1.2

 

Ao começar a idealizar a abertura de uma empresa, muitos empreendedores logo sentem-se na obrigação de definir a missão do negócio. Esse procedimento pode ser bastante frustrante e, na verdade, não irá acrescentar muito para o desenvolvimento da empresa. Portanto, não é sobre isso que estamos falando aqui.

O que você precisa criar é um mantra para a sua organização. De acordo com o dicionário, mantra é “uma fórmula verbal sagrada que se repete em prece, meditação ou encantamento, tal como a invocação a um deus, um feitiço ou uma sílaba ou parte de versículo bíblico ou de outra escritura sagrada contendo potencialidades místicas”.

Parece algo potente. E realmente pode ser. Ao contrário da missão da empresa, que não é lembrada por ninguém, o mantra servirá como guia para todos os envolvidos nas atividades da organização. Em seu livro, Kawasaki cita alguns exemplos de mantras utilizados por grandes empresas:

  • Nike: “Autêntico Desempenho Atlético”
  • Disney: “Divertimento Familiar de Verdade”
  • Starbucks: “Recompensando os Momentos Diários”
  • IBM: “Pense”

Deu para entender, certo? É uma pequena frase que possui a capacidade de servir como diretriz para todos. Na Disney, desde os gestores que coordenam as atividades até os recepcionistas e os profissionais da limpeza trabalharão com o intuito de oferecer divertimento para todas as famílias que passarem por lá.

Mas não confunda mantra com slogan. O mantra é para a sua equipe e o slogan é para os seus clientes. O mantra da Nike é “Autêntico Desempenho Atlético”. O slogan é “Just Do It” (Apenas Faça).

 

Toque o Barco

 

Negócio Próprio 1.3

 

“Você deve estar sempre vendendo, não montando estratégias de venda.” Guy Kawasaki

Você lembra o que falamos lá na introdução sobre aquelas pessoas que ficam tão compenetradas em fazer planos e deixam a prática sempre para depois? Evite essa postura e preocupe-se mais com a implementação de suas ideias do que com o planejamento.

O mais difícil é sair da inércia e começar as atividades. Então, comece! Se você quer vender, comece a vender. Durante o processo você poderá fazer planejamentos, projeções e ajustar os detalhes, mas, só com a teoria você não sairá do lugar.

São apontados por Kawasaki alguns princípios fundamentais para que você toque o seu negócio:

  • Seja ambicioso. Estabeleça metas ambiciosas e lute por algo grandioso. Afinal, a sua empresa vai mudar o mundo.
  • Encontre sócios. Para qualquer negócio de risco dar certo, é preciso que exista uma boa equipe com os objetivos alinhados.
  • Polarize as pessoas. Criar produtos e serviços adorados por algumas pessoas fará também com que algumas outras os odeiem. Não dê bola para isso. A única ofensa seria a falta de interesse de todo o público.
  • Design diferente. Lembre-se que não há uma forma padrão ideal de projetar seus produtos e serviços. Existem diversas abordagens que podem ser adotadas. Você pode criar um produto simplesmente por não existir um como você gostaria no mercado ou então procurar inovar e criar algo novo e melhor em cima de um produto que você julga estar ultrapassado, por exemplo.
  • Use protótipos para pesquisar o mercado. Muitas vezes, uma pesquisa de mercado tradicional não conseguirá mensurar a aceitação de seu produto pelo público, portanto você terá que descobrir na prática exatamente o que os seus clientes desejam.

 

Defina Seu Modelo de Negócios

 

Negócio Próprio 1.4

 

Depois de descobrir como a sua empresa será significativa, criar um mantra e começar a trabalhar no protótipo de seu produto ou serviço, chegou a hora de definir o seu modelo de negócios. Para começar, identifique esses dois pontos: quem é o seu cliente e qual é o melhor mecanismo de vendas para chegar até ele?

Para ajudar você nessa tarefa, Kawasaki também dá algumas dicas:

  • Seja específico. Quanto mais precisamente você conseguir descrever os seus clientes, melhor. Não fique com medo de se restringir a um pequeno nicho, pois é assim que você atingirá a ubiquidade.
  • Não complique. “Se não puder descrever seu modelo de negócios em dez palavras ou menos, é sinal de que ele não existe”. Simples assim.
  • Copie alguém. Você pode inovar em matéria de tecnologia, mercados e clientes, mas não tente inventar um modelo novo de negócios. As pessoas já estão acostumadas com o que vivenciam no mercado diariamente, então veja qual encaixa melhor com o seu negócio e aplique.

 

Encerre com um MAT (Marcos, Assunções e Tarefas)

 

Negócio Próprio 1.5

 

No processo de concepção do seu negócio, você deve evitar a dispersão. Para isso, deve identificar e utilizar uma ferramenta de gerenciamento que mais se adapte ao seu estilo de trabalho. Apresentaremos aqui, como sugestão, o MAT, que é uma sigla para Marcos, Assunções e Tarefas.

Marcos: trata-se dos pontos de referência do seu projeto e que delimitam o progresso ao longo do desenvolvimento e implementação do seu negócio. Os principais pontos em que uma nova empresa deve se concentrar são:

  • Comprovar sua concepção;
  • Gerar especificações completas de projeto;
  • Concluir um protótipo;
  • Levantar capital;
  • Levar aos consumidores uma versão que possa ser testada;
  • Equilibrar receita e despesa.

Assunções: crie uma lista de premissas a respeito de seu negócio. As premissas são informações inicialmente assumidas como verdadeiras, mas que ainda não foram validadas. São importantes para tirar o seu negócio do papel, uma vez que você nunca saberá se são reais a não ser que as teste.

Por exemplo: medições de desempenho do seu produto ou serviço; dimensões do mercado; margem de lucro bruto; número de vendas por vendedor; taxa de conversão de potenciais clientes em clientes; retorno sobre o investimento; volume de reclamações; capital de giro; ciclo de vendas; preço de serviços terceirizados e matéria prima; entre várias outras.

A partir do acompanhamento desses pontos, você identificará se as premissas adotadas inicialmente são verdadeiras ou falsas. Sendo verdadeiras, você acaba de validá-las. Sendo falsas, reaja imediatamente e revise-as.

Tarefas: agora é a hora de criar uma lista contendo as principais tarefas necessárias para projetar, fabricar, vender, enviar e dar assistência técnica a seu produto ou serviço. Aqui estão inclusas tarefas como alugar um espaço adequado; encontrar vendedores-chave; contratar seguros; montar um sistema de contabilidade; entre outras.

A lista de tarefas manterá você focado e o ajudará a entender e avaliar tudo o que precisa ser feito ao longo dos marcos do seu projeto.

 

Você está pensando em começar o negócio próprio? Achou as dicas sobre a arte de começar úteis? Lembre-se que esse é apenas o começo de nossa jornada. Deixe o seu comentário e não perca o restante dos artigos da série!

 

COMPARTILHE 🙂 E CADASTRE-SE NA NOSSA LISTA