Idealizador

Fabricio Morini, assim como você, sempre sonhou em alcançar voos mais altos e buscou concretizá-los. Desde cedo, percebeu que para ser um grande empreendedor, foco e plano de voo são necessários.

Filho de um empresário que comanda um negócio com mais de 25 anos no segmento industrial, Morini viu e passou por diversas experiências, acumulando conhecimento. Na juventude, foi atleta. Teve sucesso. Mas como ele mesmo diz, “foi um voo de galinha”.

Com 18 anos, ganhou uma bolsa de estudos para viver nos Estados Unidos. Lá, não só estudou Business and Management como serviu casquinhas de sorvete no restaurante da universidade. De volta ao Brasil, decidiu abrir, em 2012, uma das maiores franquias de café do país, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Mas a franquia não trouxe o resultado esperado e Morini teve sua primeira lição:

“As vezes, fracassar é a melhor coisa que pode lhe acontecer. Insistir diante da perda só retardará seu progresso para voltar a ganhar”.

Assim, optou por não seguir adiante com o investimento, um ano depois.

Em 2013, debutou no seu grande sonho, tornando-se piloto comercial. Era hora de decolar… Foi quando então, decidiu empreender na aviação. Trouxe uma das primeiras aeronaves Diamond para o Brasil e arrendou-as para escolas de voo no sul do país.

Foram quase dois anos de muito trabalho e pesquisa sobre o mercado de preparação para pilotos. “Estava na hora de transformar o projeto do papel em realidade.” Assim, nascia sua própria escola de aviação, a Morini Air. E junto com ela, seu segundo aprendizado:

“Fazer um negócio no Brasil é como participar de uma gincana… sempre há uma taxa a mais para pagar, algo a mais para fazer. Independentemente disso, o empreendedor deve superar todos os desafios para subir a escada do sucesso.

Eu me recordo quando fundei a Morini Air. Seria muito mais fácil seguir o rumo e modelo de negócio que a maioria dos aeroclubes, escolas de voos insistem em executar. Na Morini Air, nossa política é outra.

Analisamos o que os concorrentes estão fazendo e optamos pelo diferencial. Isso nos permitiu grandes progressos, como por exemplo, ter o primeiro modelo DA40 da empresa Diamond e único no Brasil. A mesma usada pela força aérea americana – no treinamento inicial – e pela respeitada escola de voo da Lufthansa.

Aquele que deseja empreender não deve se preocupar com o que as demais pessoas vão falar. Porque quem não consegue fazer algo, sempre vai dizer que você também não vai conseguir. Olhe o futuro e continue sua caminhada.”

Audacioso e estratégico, Morini sempre teve a consciência que no empreendedorismo, parcerias são importantes para que as idéias tomem formas e se fortaleçam. Voou para São Paulo e participou da palestra do “Lobo de Wall Street” (Jordan Belfort). Lá, conheceu o empresário conhecido como deal maker, Ricardo Bellino, que o convidou para participar de um encontro de master minds, em Key Biscayne, nos EUA.

O antes jovem sonhador, se tornava um homem de posicionamentos fortes e decisões claras. “Se quisermos chegar lá, vamos ter que entender de uma vez por todas que uma nação empreendedora se faz – como diria o poeta – com 1% de inspiração e 99% de transpiração.”

Se aproximou do fundador da Embraer, Ozires Silva e conseguiu o apoio da conceituada empresa PwC (Price Waterhouse Coopers) para que pudesse desenhar o conceito final de seu mais novo projeto, a Universidade do Ar.

“Meu objetivo com a Universidade do Ar é atender aquilo que o mercado precisa e entregar com o máximo de destreza. Quando falamos de aviação, na maioria das vezes, só nos referimos aos pilotos, quando na realidade, existe uma gama imensa de postos de trabalho relacionados a isto.

Conceder oportunidade as pessoas terem uma formação adequada é um dos nossos grandes objetivos. Além de atingir a grande meta, tornando o Brasil autônomo em qualidade, infraestrutura, segurança e soberania nacional no setor aéreo. Como um nacionalista, quero não só contribuir com o meu país através deste mundo extraordinário que é a aviação e poder homenagear, este herói brasileiro, Ozires Silva.”

Se para muitos o céu é o limite, para Morini é apenas uma forma de olhar mais amplamente as necessidades das pessoas. Por isso, mesmo diante de tantos compromissos, a vontade de contribuir através da educação e do fortalecimento do ser humano.

“Empreender na internet com o Aprendi Fazendo é reconfigurar o empreendedor brasileiro, mostrando que empreendedorismo se faz na prática, e não de teorias. E este é o meu maior comprometimento com as pessoas que sonham, assim como eu, buscar novas realidades”.